terça-feira, 13 de novembro de 2012

O novo lançamento da Pepsi e o Marketing Societal


Em vários momentos comentamos em relação aos alimentos funcionais, aqueles que além de resolver problemas pontuais dos consumidores (suas necessidades imediatas), ainda auxiliam no bom funcionamento do organismo. É o que Kotler já havia destacado como Marketing Societal na década de 1970, ou seja, são produtos que cuidam do bem estar dos consumidores em longo prazo.
Pensando assim, um dos setores em que existe um campo fértil em oportunidades, devido à intensa crítica da opinião pública (muito mais intensificada na economia digital) em relação aos seus malefícios é o de alimentação, no qual destacamos os refrigerantes.
Ciente desta preocupação e como uma forma de perpetuar os seus negócios, as empresas antenadas no mercado, aqueles que pensam realmente em marketing, se adaptam. Foi o que a Pepsi fez.
Com o objetivo de pensar no bem estar de seus consumidores em longo prazo, esta lançando no Japão uma versão de seu produto que evita o ganho de peso, pois, com a adição de fibras solúveis permite a absorção das gorduras absorvidas pelos alimentos – já pensou poder tomar a sua Coca-Cola, ops, é Pepsi, sem remorso!
Com lançamento previsto para o Japão acredito que  a Pepsi Special poderá ser um grande passo para o setor e, espero que possa contaminar os concorrentes a fazer o mesmo. Boa sacada da empresa.
E, como é natural, daqui a pouco a Coca-cola lançará sua versão - apesar de já ter o Enviga,  refrigerante que promete queimar as calorias.
São estratégias ousadas com o objetivo de proteger mercados que podem entrar em declínio devido a busca dos consumidores por produtos que façam bem a saúde e, a aplicação do Marketing Societal.

sábado, 10 de novembro de 2012

Penetração de Mercado


Hoje, li uma matéria de Marketing que mencionava a nova estratégia do Tic-Tac que aumentou suas embalagens para 100 unidades! Isso me lembrou que alguns alunos perguntam à respeito de um conceito muito usual na literatura de Marketing, Penetração de Mercado.
Apesar de ser uma ação comum, ainda existem algumas dúvidas. Esta estratégia mercadológica, ou se preferir de crescimento de mercado, ou Matriz Ansoff, nada mais é do que aumentar as suas vendas por meio do mesmo produto sendo comercializado no mesmo mercado, ou o aumento do consumo por parte de clientes atuais.
É o que esta fazendo o Tic-Tac que agora passa ( que maravilha!) a comercializar as suas irresistíveis balinhas em embalagens de 100 unidades. Mas, com a mesma comodidade das embalagens antigas - práticas para o uso e transporte, uma sacada muito boa.
Cabe destacar que dentre as estratégias de crescimento de mercado podemos usar a diversificação,  que ocorre quando uma empresa cria novos produtos para novos mercados, como quando e G&E deu um gigantesco passo ao passar a investir em economia verde, empresas que resolvem investir em novos setores como a biotecnologia, ou os grandes conglomerados industriais que possuem produtos dos mais distintos em seu portfólio como a própria G&E, Mitsubishi, Yamaha, entre outros que, ao perceber oportunidades de mercado em outros setores, cria Unidades Estratégicas de Negócio para aproveitá-las.
Desenvolvimento de mercado,  ocorre quando uma organização, como parte de seu esforço mercadológico usa o mesmo produto para atingir a novos mercados, sejam eles da concorrência, ampliação de mercado ou segmento. Esta estratégia é muito comum em processos de internacionalização de empresas, seja por estagnação do mercado atual ou oportunidades que surgem em outros territórios. Quando um produto começa a ficar saturado em um mercado, como exemplo produtos relacionados à moda que atinge primeiramente os adotantes iniciais para depois seguir para a massa, ou algumas modificações em embalagem para ocupar espaço em outras classes sociais, como fez a indústria do panetone, com as embalagens de celofane para as classes mais baixas e as de lata para as mais altas.
Também temos o desenvolvimento de produto que consiste em desenvolver novos produtos para o mesmo mercado, como uma forma de evolução dos tradicionais já comercializados pela empresa, como as várias opções do Veja - produtos de limpeza, novos modelos de automóvel e celulares, entre outros.
 Mas, voltando a penetração de mercado, notamos estas estratégias com promoções de preço, aumento da litragem na indústria de bebidas, brindes como os famosos bichinhos da Parmalat, concursos com o Show do Milhão do Silvio Santos em parceria com a Nestlé, entre outras formas de vender o mesmo produto ao mesmo mercado com o objetivo de aumentar o consumo dos clientes atuais ou angariar novos adotantes no mesmo segmento.
Enfim, são formas de uma empresa crescer no mercado. Quando pensamos no mercado brasileiro e seu grande potencial de crescimento, essa é uma boa estratégia mercadológica.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Viralize suas ideias, mas com planejamento.


Em épocas de redes sociais no qual todos estão “conectados” o queas empresas buscam é viralizar as suas idéias e suas mensagens de Marketing. É pensar em formas de manter sua marca ou produto como um dos temas mais comentados no Facebbok ou Twitter. Sua empresa já pensou sobre isso? Se não, ainda pensará. É algo natural. Mas, será que vale a pena?
Vale! Desde que exista uma estratégia de sustentação, ou seja, ser um dos assuntos mais comentados não pode ser o objetivo da empresa, e sim uma forma de comunicação sustentada pelas demais estratégias mercadológicas de uma empresa. Caso contrário...
Você lembra da cerveja Proibida? Eu não. Bom, para refrescar a sua memória, esta cerveja foi aquela apareceu no programa Pânico, por meio de duas modelos “tchecas” que apareciam mencionando que queriam conhecer o Carnaval e tomar caipirinha. O programa dedicou atenção especial as modelos que acabaram até por virar estrelas da revista Playboy. Após toda esta exposição soube-se que se tratava apenas de uma campanha inteligente de Marketing – mais precisamente de Marketing de Guerrilha – estratégias de baixo custo e alto impacto. Digo inteligente, pois conseguiram um espaço gratuito na mídia, geraram curiosidade em relação ao produto e um burburinho espontâneo (Marketing Viral) em relação à marca... mas, esqueceram da estrutura que deve sustentar toda estratégia mercadológica.
Como sempre destacamos em nossas aulas, quando um produto esta em sua fase de introdução no ciclo de vida do produto deve-se optar por uma estratégia de Relações Públicas para convencer futuros usuários. Trabalhar de forma segmentada com formadores de opinião para gerar interesse pelo produto. Se a empresa optar por uma estratégia de massa, pode ocorrer situações nas quais o produto pode faltar no ponto de venda, não tenha capacidade produtiva para atender ao mercado ou não tenha verba para sustentar uma campanha de massa em longo prazo.
Foi o que aconteceu com a cerveja Proibida. Não que houvesse investido na mídia de massa, mas a usou para divulgar a sua marca e não conseguiu sustentar estas ações. Segundo a revista Exame, após 18 meses a empresa tem algo como 0,5% do mercado. A CBPP (Companhia Brasileira de Cervejas Premium) fabricante da marca, tem dificuldades de produzir, distribuir e vender sua cerveja. Enquanto a cerveja estava sendo viralizada na internet, os consumidores não conseguiam encontrá-la no PDV– não pensaram de forma adequada da logística. E, não sustentaram as suas ações de comunicação. Acreditaram que as redes sociais poderiam fazer toda a comunicação sozinha... um engano.
Assim, se tornaram apenas uma Ideia vírus, aqueles assuntos que surgem com uma força surpreendente, mas duram apenas alguns momentos, depois, todo mundo esquece. Um bom exemplo de como as estratégias de Marketing não sobrevivem por si só, deve sempre existir uma sinergia entre todas as áreas departamentais para sustentar suas ações.
Viralize suas idéias, mas com planejamento. Bom pensamento mercadológico para vocês!!!  

Translate